"A beleza é uma ferida" - Eka Kurniawan


Oieeeee pessoas....tudo bom com vocês???
Hoje nós vamos falar de um livro que me surpreendeu bastante e que não se parece com nada do que eu já tenha lido. Vamos falar de A Beleza é uma ferida, de Eka Kurniawan, do Grupo Editorial Record pelo selo José Olympio. Bora conhecer???

Sinopse: 
A vida da prostituta mais procurada da fictícia HalimundaDewi Ayu, e das quatro filhas é marcada por estupros, incestos, assassinatos e fantasmas – muitas vezes vingativos. Astuta, destemida e engenhosa, Dewi levanta-se do túmulo após 21 anos para contar a própria história e desvendar alguns mistérios. Mas talvez a principal razão para o forte desejo de voltar à vida seja visitar sua quarta filha, a quem ela deu à luz antes de morrer. Seu nome é Beleza, mas foi abençoada com a feiura que Dewi tanto desejou para afastar a família da maldição da beleza. Ao contar essa história, Eka Kurniawan, o aclamado escritor indonésio, faz uma crítica mordaz ao passado conturbado da sua jovem nação: a ganância do colonialismo; a luta caótica para a independência; a ocupação japonesa; o assassinato de um milhão de “comunistas” em 1965, seguido por três décadas de governo despótico de Suharto. Combinando folclore, sátira e a formação da Indonésia, a voz inconfundível de Kurniawan – inspirada em Melville e Gogol – traz originalidade e relevância para a literatura contemporânea e oferece aos leitores o prazer na linguagem exuberante usada para descrever uma carnificina; defendendo simultaneamente a força necessária para sobreviver. 

*********************************************************************************

bom de se participar de um clube do livro é que você conhece um monte livros que se você passasse na livraria, provavelmente não iria olhar. (Sem falar nos amigos que conheci lá, né clube da coxinha???)E esse foi um desses casos!!! 

Quando nos foi proposto o livro, foi “vendido” um produto bem diferente do que eu encontrei ao ler. Eu sabia que ia ser uma leitura com bastante drama, mas não fazia a menor ideia de que se tratava de um livro de realidade mágica. Ahhh Flávia, mas o que é uma realidade mágica??? Confesso que eu também não conhecia e por esse morivo, eu recorri ao tio google para entender o que era essa tal realidade mágica. Confere ai.... 

realismo mágico é uma escola literária surgida no início do século XX. Também é conhecida como realismo fantástico ou realismo maravilhoso, sendo este último nome utilizado principalmente em espanhol. É considerada a resposta latino-americana à literatura fantástica européia. 
O realismo mágico se desenvolveu fortemente nas décadas de 1960 e 1970, como produto de duas visões que conviviam na América hispânica e também no Brasil: a cultura da tecnologia e a cultura da superstição. Surgiu também como forma de reação, através da palavra, contra os regimes ditatoriais deste período. 
Apesar de aparentemente desatento à realidade, o realismo mágico compartilha algumas características com o realismo épico, como a intenção de dar verossimilhança interna ao fantástico e ao irreal, diferenciando-se assim da atitude niilista assumida originalmente pelas vanguardas do início do século XX, como o surrealismo. 
Este conceito pode ser definido como a preocupação estilística e o interesse em mostrar o irreal ou estranho como algo cotidiano e comum. Não é uma expressão literária mágica: sua finalidade é melhor expressar as emoções a partir de uma atitude específica frente à realidade. Uma das obras mais representativas deste estilo é Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez. 

Bom, sabendo agora o que é realismo mágico, vocês vão entender um pouco mais sobre as minhas impressões sobre o livro.  

Dewi Ayu é a nossa personagem principal. Ela é uma prostituta que sofreu o pão que o diabo amassou na época da guerra na Indonésia. Na verdade, foi justamente a invasão dos Japoneses que a tornou uma prostituta, pois antes ela era uma menina de descendência Holandesa e que por ser muito bonita, foi capturada pelos japoneses para trabalhar como prostituta. Quando a guerra se findou, Dewi acabou tomando gosto pela vida da prostituição e permaneceu nela. 

Durante sua vida de prostituição, Dewi teve três filhas: Alamanda, Adinda e Maya Dewi. As três de pais diferentes e pela vida que levava, Dewi Ayu não sabia quem eram seus pais. As três herdaram a beleza exuberante da mãe, o que Dewi considerava como uma verdadeira maldição, pois os homens daquela época (e vale dizer que as vezes até hoje) não respeitavam as mulheres. As três meninas tiveram em seus destinos muita violência, como agressões e estupros, assim como a mãe. 
Em uma as frases mais chocantes que eu encontrei no livro, Dewi Ayu expressa bem esse sentimento de ter tido filhas tão bonitas: 


Alguns anos se passam e Dewi Ayu engravida novamente. Sabendo do sofrimento que passou e suas filhas também, Dewi deseja que sua filha seja bastante feia, e seu pedido é atendido. Dewi dá a luz a uma menina muito feia, inclusive na descrição que é feita no livro chega a ser até cruel, comparando a criança a um monte de merda. Apesar de tamanha feiura, ironicamente é dado a criança o nome de Beleza, entretanto, mesmo não sendo linda como as irmãs, Beleza sofre também e passando por varias provações e tribulações. Após 12 dias ao dar a luz a Beleza, Dewi Ayu decide morrer e assim é feito. 

Mas, 21 anos depois de sua morte, Dewi Ayu levanta-se do túmulo para contar a própria história e desvendar alguns mistérios. Mas talvez a principal razão para o forte desejo de voltar à vida seja visitar Beleza. A vida da prostituta mais procurada da fictícia HalimundaDewi Ayu, e das quatro filhas é marcada por estupros, incestos, assassinatos e fantasmas – muitas vezes vingativos. 
Com temas bastante fortes, o livro me deixou impressionada com uma narrativa bastante forte e muitas vezes cruel. Eu achei interessante conhecer um pouco da cultura da Indonésia. Não é um livro fácil pelo fato de a história tomar rumos altamente inesperados numa trama insana. É preciso ter o estômago forte e uma mente receptiva para aceitar cada fato explícito e inusitado que a história reserva.  

Não é o meu tipo de leitura preferido, mas eu indico o livro sim. Acho válida a ideia de conhecer histórias diferentes, sem falar que a capa é deslumbrante. Posso dizer que valeu a experiência, mas não é uma leitura recomendável para qualquer tipo de leitor. 

Bom, por hoje é só pessoal....espero que vocês tenham curtido mais essa resenha. Espero muito o feedback de vocês, pois ele é muito importante pra mim, ou seja, deixem uma canceriana carente feliz, ok? 

Um grande beijo e até a próxima!!! 
Flay 

"Duny: Meu livro. Eu que escrevi." - Raony Phillips


Oieeeee meus amores....nosso querido Renan tá impossível....vamos conferir mais uma resenha dele!!!! Iupiiiiii

Duny: Meu livro. Eu que escrevi.
Meu Livro. Eu que Escrevi
Raony Phillips Editora Intrínseca 168 páginas

Olá de novo, vamos falar de risadas?
A resenha de hoje é do livro da única, incrível, amada, adorada, insuportavelmente linda, melhor do que eu, melhor do que você, famosa e escrota pra caramba - Duny Evelyn

Tive que escrever desse jeito pra destacar o ego da nossa web diva favorita.
Quem conhece Girls In The House sabe do que estou falando. Duny e suas amigas Alex, Honney e Julie vivem situações bem peculiares na pensão da Tia Ruiva. Lá as meninas passam por momentos românticos, tensos mas, principalmente, momentos hilários.

Já digo logo de cara assistam a série, é de graça no Youtube e vale super a pena. Se você gostar, seja bem-vindo. Mas se não gostar, assista de novo, pois você assistiu errado kkkkkkkkkkkkkk.
Vamos falar sobre o livro. Ele retrata a vida de Duny Evelyn de maneira mais especifica, já que a série foca em vários outros personagens.

Aqui vemos a nossa DIVA, ÍCONE, MITO, MARAVILHOSA E ABSURDAMENTE LINDA Duny (tive que escrever tudo isso, estava sendo ameaçado por ela e Priscilão), em busca de uma carreira artística, e ela nos mostra o quanto é persistente. Ela já foi assistente de palco, assistente de celebridades que ninguém conhece, candidata a American Idol, mandou nudes para um homem casado com a sua pior inimiga sem querer e por aí vai.

O livro é simplesmente hilário e mostra uma faceta da Duny que não vemos muito: humildade e reconhecimento do próximo. Assim conhecemos o seu lado gentil e “filantrópico” que a série não mostra.

Super recomendo o livro pra quem gosta de se divertir e quer dar boas risadas também. Se você já é fã da web série, com certeza vai se apaixonar pelo livro. Eu ainda ressalvo que esse livro mostra o quanto o Raony é talentoso, além de criar o roteiro, fazer a série toda em The Sims, dublar quase todos os personagens, ele ainda é um ótimo escritor. Só podemos desejar sucesso a esse fenômeno.

Vamos conferir alguns cliques da nossa diva:





Bom, espero que tenham curtido, até a próxima pessoal!!!