"O melhor de mim" - Nicholas Sparks


Todos nós já ouvimos algum dia que o primeiro amor nunca é esquecido; que nunca vai se amar alguém como você amou aquela primeira pessoa, pois foi ela quem te despertou para os sentimentos mais íntimos de seu coração e quem te guiou pelas descobertas e pelos amadurecimentos. Sparks usou muito bem este tema, chegando a se assemelhar a William Shakespeare e, nos mostrou verdadeiramente, que  "O primeiro amor deixa marcas para a vida inteira".


A adolescência é a fase que a pessoa descobre o mundo, as oportunidades, as pessoas e a si mesmo. Uma fase onde tudo é questionado, mas quando o amor surge, tudo se esclarece. Esta regra não fugiu de Amanda Collier e de Dawson Cole. Duas pessoas completamente diferentes. Ela, de um família tradicional e bem vista pela sociedade e ele, de um família de criminosos - onde era a única exceção.  Entretanto, apesar das aparentes diferenças, o amor que ambos começaram a  nutrir demonstrou que eles possuíam mais características em comum do que imaginavam. Um completava a frase do outro ou entendiam as palavras antes mesmo delas serem proferidas pelo parceiro.

Como Shakespeare narrou em Romeu e Julieta, os  Montecchios e os Capuletos se desentendiam, assim como os Collier e os Cole. Afinal, uma dama não poderia andar com um "criminoso", como Dawson. Mas mesmo assim, Amanda enfrentou tudo e todos para conseguir ficar com seu amor. Entretanto, assim como no drama, o destino tinha algumas surpresas para ambos. A repentina prisão de Dawson, após um acidente de trânsito, e a aprovação de Amanda para uma faculdade prestigiada foram os alvos da separação dos dois. Uma alegria para os pais da mocinha, mas um marco para o injustiçado da vez. Como Amanda dissera, poucos conhecem um amor puro, mas Dawson e ela haviam sido felizardos, durante este tempo.

Vinte cinco anos depois, ambos devem voltar para sua cidade natal a pedido de seu querido amigo, Tuck  Hostetler. Ele havia falecido, mas deixara um testamento que devia ser cumprido pelos dois. Juntamente com seu último desejo, Tuck havia deixado cartas que teriam algumas das respostas que eles tanto procuravam. Amanda estava casada e tinha três filhos, mas ainda estava abalada pela morte de sua filha pequena, Bea. Dawson trabalhava numa plataforma de petróleo e já tinha enfrentado os mais diversos obstáculos em sua vida, mas para ele, o maior deles, foi ter permitido-se ficar longe de Amanda. Tuck fez com que um final de semana triste se tornasse o recomeço de um sentimento que nunca deixara de existir, mas que precisava de um empurrão. Afinal, tudo o que Tuck queria era que suas duas crianças ficassem bem.

Para mim, este livro serviu como uma base em que pude me apoiar. Todos temos problemas e, muita das vezes, a vida não espera  que tudo se resolva para que  você volte para algo que um dia deixou. Entretanto, se o sentimento for verdadeiro, o destino o trará de volta. Tuck, um senhor que a princípio só era um cúmplice do casal, se tornara realmente um pai para os dois e, mesmo sem muitas palavras, ele passava, pouco a pouco, sua história envolvente com sua esposa Clara.  Ele, mais do que depressa, se tornou meu personagem favorito. 

 Dawson era aquela pessoa misteriosa que lutava pelo destino que sua família possuía e isso o tornava especial. Algo que Amanda admirava e amava. Entretanto, mesmo que o amor dos dois fosse suficiente para aquecer o passado e não permitir que as lembranças ficassem vagando sem rumo, será que Amanda teria coragem de abalar a estrutura de sua família? 

Será que os Cole deixariam Dawson sair da cidade como o mocinho, sendo o único da família que tivera algo de bom na vida? Dawson seria capaz de se perdoar pelo acidente que um dia causara? E, por fim, será que Tuck teria conseguido seu objetivo ao reunir o casal, mais uma vez, na cidade?

Novamente, como Shakespeare, a vida daria um vínculo para ambos. Mas que vínculo seria esse? 
Amanda, porém, soubera que Dawson dera o melhor de si para ela. O se coração.

Amar e ser amado é uma lição que poucos aprendem na vida. Algo difícil. Algo que não vem por interesse fútil. Algo nobre. Li em algum lugar que " rostinho bonito envelhece, maquiagem sai com água, pele bonita enruga, cabelo lindo fica branco, corpo definido cai, mas o caráter fica". E o amor não seria isso?

Nicholas Sparks tem a incrível capacidade de colocar essas pequenas abordagens ao seu favor e, como sempre, dá certo. Seus diálogos são repletos de intensidade, de compaixão, de ternura e de tensão. Suas surpresas são inesquecíveis e seus personagens, mais ainda. Todas suas obras nos deixam uma lição e essa me permitiu sonhar em ser uma felizarda. Seus contos não são histórias da disney e, muito menos, novela das oito, pois ele criou seu próprio ritmo. O ritmo da vida real. Nicholas dá o melhor de si para nós. Tenho certeza disso!

Vocês  já tiveram alguma história de amor que deixou marcas pela sua vida inteira? 

Espero que tenham gostado! Até os próximos encontros!

Bjks da Ale!


2 comentários

  1. Maninha...amei o livro e preciso muito ler (ou seja, já sabe q vai trazer ele pra mim em Maio né? rs).
    Realmente, quando somos adolescentes sempre nos entregamos as emoções...acho que não deveriamos perder isso com o passar da idade, mas as preocupações do dia-a-dia fazem com que nos esqueçamos de nossos sentimentos mais intimos...bjks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha! Estou acostumada com sua vontade por livros! Haha! Vou levar, sim!
      E concordo plenamente com o que vc disse... Quando a fase adulta começa, muitas das vezes esquecemos de nossos sonhos ou paixões, mas não podemos permitir isso, pois quando deixamos de sonhar, deixamos de viver!
      Que bom que gostou da resenha ;)
      Bjks! Te amo!

      Excluir