O que eu vou ser quando crescer???


Salve, salve, galerinha.....

Nossa, como eu voltei rápido, né??? Hahahahahahahahahaha. 

Bom gente, voltei para mais um papinho literário. Eu acho que o tema é  bastante sério e, por  muitas das vezes, este assunto nos persegue por anos a fio. Quantos já  se perguntaram: O que eu vou ser quando crescer? 

Convivemos, durante anos, com esse questionamento. E este dilema não  é só nosso, pois muitos a nossa volta passam por esta decisão.

Como eu falei no meu último papo literário, eu sou super fã da Turma da Mônica Jovem (perdeu o post??? Então clica aqui) e na edição desse mês, o tema foi exatamente sobre essa abordagem -  "Meu Futuro".


Na história, Mônica se depara com as perguntas: Que carreira seguir? Qual é a minha vocação?

 Não vou contar a historinha pra vocês, mas posso adiantar que a decisão dela, com certeza, foi tomada de acordo com o seu coração.

A nossa profissão é uma coisa que irá nos acompanhar por toda a vida, ou seja, devemos ter certeza se temos mesmo vocação para aquela carreira e se temos habilidade e maturidade suficiente para encarar de frente.

Posso dizer, por experiência própria, que quando não trabalhamos com aquilo que gostamos, nos tornamos pessoas incompletas, sempre pensando em como seria se tivéssemos trilhado o caminho que sonhamos. Eu sempre quis ser veterinária e acabei em um mundo que nada tem haver com o meu sonho -  formada em Direito.(Affff)


Hoje em dia, existem inúmeros testes vocacionais para aqueles que não sabem ou ainda estão em dúvida sobre  qual carreira  seguir.

O único e principal conselho que dou é que sigam os seus sonhos e, acima de tudo, escolham uma profissão que vá te engrandecer como pessoa e não somente a sua conta bancária.

Sempre ao final de cada edição, o nosso querido Maurício de Souza nos presenteia com a sua opinião sobre o tema. Sua nota  foi superinteressante, por isso, deixei o  link do site da TMJ para vocês.

Aproveito também o espaço para desejar à minha querida Mônica os meus parabéns, pois a baixinha e dentuça mais querida do Brasil completa 50 anos esse mês e, por esse motivo, aqui vai a minha homenagem: 

PARABÉNS, MÔ!!!! Obrigada por ter acompanhado a minha infância e minha minha fase adulta também, pois dentro de cada coração adulto sempre haverá a criança do passado e, com certeza, eu fui uma criança muito feliz com a sua presença!!!

 

Beijinhos e espero ter ajudado a todos com esse papo!!!!




"CANTARZO" - André Vianco



                                            
                                           1º Capa                                                Capa Atual


Olá, pessoal!!!!
Finalmente, volto ao nosso amado blog para, enfim, terminar essa excelente saga que é o Vampiro Rei. Entretanto, antes de começarmos a falar sobre os acontecimentos do 3º livro, intitulado Cantarzo, vamos relembrar alguns acontecimentos de A bruxa Tereza. (não viu a resenha, clique aqui).

 Lucio chega até o templo da Bruxa e Cantarzo é desperto. Com isso, o rei dos vampiros cumpre a promessa feita a seu lacaio e o transforma em vampiro. A ideia de Cantarzo é reunir 30 bentos e, assim, formar um grande exército.  Cantarzo consegue ajuda não só da bruxa, mas também de Venâncio, o ferreiro do local, que devido a um sonho que teve, resolveu criar armaduras e espadas para o vampiro rei e seu exército. Armaduras parecidas com a dos Bentos, porém, estas eram armaduras negras.  

Por ter bebido o sangue de Bispo, as alcoviteiras agora sopravam ao ouvido de Cantarzo o que ele deveria fazer, estando assim, sempre um passo a frente dos humanos. 

Com a destruição da CLBI provocada pelo exército guiado por Anaquias, a principal arma dos humanos contra os vampiros – TUPÃ – foi destruída, fazendo com que Franjinha e sua equipe saíssem em debandada, com um laptop em mãos, e se escondessem para que no futuro pudessem reconstruir o CLBI.

Cantarzo consegue uma grande ajuda da equipe de Caranguejeira no recrutamento dos Bentos. Caranguejeira e sua gangue eram humanos que viviam fora das fortificações e que com a ajuda de seus veículos blindados enfrentavam a fúria de vampiros para levar algo de valor para as fortificações em troca de favores, porém, Cantarzo consegue que eles passem a ajudá-lo. Ele só não contava que entre o bando existisse um humano de bom coração – Ernestinho – que conseguiu libertar os Bentos que estavam presos.
   
Da mesma forma que Cantarzo conseguiu ajuda humana em seus planos, os Bentos conseguiram também uma ajuda nada comum – Raquel, a vampira caolha – em busca de vingança, por Anaquias ter matado seu fiel companheiro Gerson, a vampira decide se unir aos humanos e revela todo o plano de Anaquias, sobre a construção da camuflagem que ajudava os vampiros a enfrentar as horas de sol na Chapada Diamantina.

Ernestinho e os Bentos resgatados conseguem asilo em um hangar abandonado, onde conhecem Thamires, Davi e Verônica. Davi era um ex-piloto da força aérea brasileira e Verônica uma engenheira de mão cheia que consegue fazer com que um antigo avião – o Hércules C130 – voltasse a funcionar a base de álcool, ajudando assim, na fuga deles. Porém, Cantarzo consegue chegar até o Hangar e antes de o avião decolar, consegue recapturar alguns dos bentos, fugindo apenas Ernestinho, as Bentas Kelly e Renata e o trio do Hangar.

Benito (ex-parceiro de Lucio), ao fugir do palácio da bruxa, encontra, com nada mais nada menos que, Marco Franjinha. Este estava desmemoriado e muito assustado, porém, lembrava que deveria voltar à Nova Natal e pede ajuda a Benito, que prontamente o leva ao local. Ao chegar na Barreira do Inferno, Franjinha lembra de tudo e começa a consertar os equipamentos para que os humanos tenham novamente a ajuda de Tupã.

Finalmente, Cantarzo consegue reunir os 30 Bentos e a bruxa inicia o ritual que consistia em sacrificar os bentos. Para cada Bento havia um vampiro que deveria tomar todo o seu sangue. Cantarzo tenta impedir o ritual, alegando que o sangue dos Bentos era como veneno para os vampiros, porém, a bruxa explica que se for tomado todo, este não será como um veneno, mas sim, dará força e a habilidade dos bentos.  Novamente Venâncio é convocado e faz as armaduras e espadas para o novo exército de Cantarzo.

A partir daí, Vampiros e Humanos travam inúmeras batalhas épicas e de grande emoção. Porém, não vou contar o que acontece, se não perde a graça, né??? Rs

Devo deixar aqui a minha opinião sobre o livro e posso dizer que amei, porém, como todo bom leitor, não concordei com alguns fatos. Como em todo livro de batalhas, há algumas mortes e, sinceramente, eu não curti, pois adorava os personagens. Tenho que também deixar uma crítica - não deveria, mas vou contar a vocês - : um soldado se apaixona por uma vampira e os dois acabam tendo um tórrido romance, entretanto, não é dado um desfecho para essa história.
Outras situações também ficaram sem resposta, segundo minha visão, mas como será lançado, ainda esse ano, um novo livro do André que relata sobre a tão temida 
Noite Maldita, pode ser que venha falando algo...vamos aguardar...ou fazer como eu....ir até a Bienal e fazer esses questionamentos junto ao meu amado escritor.

(Novo livro, a ser lançado ainda no 1º semestre de 2013)

Bom, pessoas, espero que tenham curtido essa incrível saga. Ficarei um tempinho longe das resenhas, pois estou lendo os livrinhos que a minha irmã me emprestou (e todos eles tem resenha aqui...é só conferir...rs), mas volto  assim que puder...bjks