Quando um filme faz você lembrar de você!!!

Olá, amores e amoras....kkkkkk.....
Como eu tinha dito anteriormente, estou lendo alguns livrinhos que a minha irmã me emprestou e, como todos eles têm resenha aqui, eu não tenho muito o que fazer... mas como não consigo me distanciar de vocês, fico sempre pensando no que escrever.  Assim, tive a ideia de comentar sobre 3 livros com que eu me identifico bastante... parece até que a protagonista sou eu. Como são livros antigos, não farei bem uma resenha, irei comentá-los. Espero que aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de ler, tenham muita vontade de lê-los em breve. 


1º – O DIÁRIO DE BRIDGET JONES


Como o próprio nome já diz, trata-se de um diário escrito pela protagonista do livro, onde ela coloca todos os seus sonhos, frustrações e a sua principal resolução de todos os anos – perder peso.
Bridget é uma mulher de 30 anos, que trabalha em uma pequena editora e nutri uma paixão platônica por seu chefe – Daniel Cleaver – um tremendo cafajeste que começa a sair com Bridget apenas para saciar seus anseios de homem solteiro, não se preocupando, nem um pouco, com os sentimentos dela. Bridget acaba se sujeitando à sair com Daniel pelo simples medo de nunca conseguir encontrar um namorado e acabar a sua vida sozinha, em seu apartamento. Cabe ressaltar aqui que me identifico muito com ela nesse momento, não hoje, pois sou casada com o melhor homem do mundo (amor, te amo...hehehehehehehe), mas porque muitas vezes eu acabava ‘ficando’ com alguns carinhas simplesmente pelo fato de achar que nunca encontraria a pessoa certa e, por isso, poderia consertar as erradas. 

Quando eu vi o filme pela primeira vez, me identifiquei com a primeira cena, onde ela está no sofá, de pijama, com um copo de vinho na mão e cantando All by myself. Quem nunca teve um dia para curtir a fossa, ao som de musiquinhas mela-cueca?? Rs...
Enfim, na festa de final de ano, algumas pessoas armaram para apresentar Bridget à Mark Darcy, um dos maiores advogados de Londres. Mas nenhum dos dois demonstrou alguma felicidade com a situação. Bridget o achou bobo, pela roupa que usava, e Darcy pensou realmente o mesmo.
Com a ajuda de sua mãe, Bridget consegue um emprego na televisão, uma forma também de ficar longe de Daniel. Talvez seja por essa mudança inicial que as coisas começaram a melhorar de verdade na vida de Bridget. Mark Darcy ressurge na trama, trazendo um novo fôlego à leitura e extraindo um novo conceito a seu respeito. Desses novos encontros com Darcy, Bridget começa a perceber que nem sempre as primeiras impressões definem alguém.
Minha opinião sobre o livro é a melhor possível. Eu simplesmente amei a obra e a versão cinematográfica, que foi feita a partir do escrito. Se você ainda não o leu, leia e depois assista ao filme. Eu tenho certeza de que toda mulher se identifica com esse enredo, nem que seja só um pouquinho. 





2º - BRIDGET JONES – NO LIMITE DA RAZÃO



O segundo livro sobre essa protagonista fascinante não é tão empolgante quanto o primeiro, entretanto também nos garante boas gargalhadas com suas trapalhadas. Bridget continua brigando com a balança e ela ganha um novo diário de Mark Darcy para escrever a história dos dois.
Nessa fase de sua vida, a moça achava que não teria mais problemas, pois afinal, havia conquistado sua grande paixão, tinha um emprego perfeito, como repórter de TV,  e possuía amigos maravilhosos. Mas nada estava do jeito que ela esperava. Ano novo, diário novo, problemas novos. Além de sua insegurança (e a eterna espera por ser pedida em casamento), Bridget tem um novo obstáculo - a colega de trabalho de Mark, Rebecca - uma moça lindíssima e que ameaça seu namoro.
Como o 1º livro, este também ganhou uma versão para o cinema, e se você ainda não viu, não perca tempo, pois Renée Zellweger está impagável e muito engraçada.

 



Quando comecei a escrever essa coluna, me deparei com a noticia de que haverá um terceiro livro de Bridget Jones. A informação veio da revista Veja:
Após treze anos sem novidades, a personagem Bridget Jones está de volta à literatura pelas mãos de sua criadora, Helen Fielding. A terceira parte da série sobre a solteirona atrapalhada está sendo escrita e chegará às livrarias em novembro, mesmo mês de lançamento em português no Brasil, pela editora Paralela, selo comercial da Companhia das Letras.
A narrativa, que conquistou o público ao retratar sem pudores o cotidiano da jornalista londrina sem sorte no amor e nas dietas, nasceu em uma coluna escrita por Helen em um jornal do Reino Unido na década de 1990, e mais tarde deu origem ao livro O Diário de Bridget Jones, de 1996.
O sucesso da obra levou à continuação Bridget Jones: o Limite da Razão, de 1999. Juntos, os livros venderam mais de 15 milhões de exemplares, foram publicados em 40 países e ganharam duas adaptações para o cinema, com Renée Zellweger no papel principal, e Hugh Grant e Colin Firth como Daniel Cleaver e Mark Darcy, respectivamente.
Segundo Helen, o novo episódio trará uma fase diferente na vida da protagonista, que agora tem mais de 40 anos e ainda vive dilemas parecidos, como a eterna vontade de perder peso e suas tentativas frustradas de parar de beber e fumar. Em entrevista à rádio BBC, a autora disse que costuma rir muito enquanto escreve, e espera que os leitores se divirtam tanto quanto ela.
Ao falar sobre o famoso cabeçalho dos capítulos, que trazia informações sobre quantos cigarros a personagem havia fumado, ou quantas calorias havia perdido, a escritora disse que novos itens mais modernos serão adicionados, como a quantidade de seguidores no Twitter.
A fase informatizada também deve trazer influências sobre a vida amorosa de Bridget. Helen se diz interessada por amores virtuais e sobre como pessoas conseguem ter relacionamentos inteiros através de mensagens escritas e se sentirem emocionalmente satisfeitas. Vale avisar que o retorno dos dois grandes amores da protagonista, Daniel e Mark, não está confirmado.
Atualmente, um terceiro filme de Bridget Jones está sendo produzido com Renée Zellweger e Hugh Grant no elenco, porém a história não será baseada no livro que está por vir, e sim em alguns dos contos antigos da escritora. O longa está previsto para estrear em 2014.”
VAMOS AGUARDAR!!!!!

3º - OS DELÍRIOS DE CONSUMO DE BECKY BLOOM

 

Que mulher nunca ficou desesperada quando viu um cartaz de promoção em sua loja preferida?? Falamos sobre mulheres que sentem prazer em segurar sacolas de compras. Daquelas que amam sentir o toque da seda de uma roupa... Daquelas que acham que o mundo fica melhor enquanto elas compram...! E Rebecca Bloom não poderia ser diferente. A diferença entre uma mulher consciente e Becky é que ela não tem limites. Mesmo sabendo que não possui dinheiro e que está devendo a Deus e ao mundo, ela continua com a sua compulsividade pelas compras.
O que é nitidamente contraditório é que Becky é uma jornalista financeira e dá conselhos, em uma revista de finanças, para pessoas que se encontram endividadas. Mas como se ela nem consegue resolver as suas cobranças bancárias?
A pedra no sapato de Becky é Dereck Smith, um cobrador que a procura constantemente para perguntar sobre os devidos pagamentos.

Vale constar que a melhor coisa que acontece na vida de Becky é Luke Brandon, o editor chefe de sua revista.
Acho um livro muito legal, e que se não todas, quase todas as mulheres já passaram por situações bem parecidas.

Assim como os dois anteriores, esse livro também teve a sua versão na telona, veja o Trailer:



Bom, como a previsão do tempo para o fim de semana é aquele tempinho gostoso de chuva, sugiro que vocês peguem esses livros ou os filmes e curtam com uma pipoquinha, pois valem a pena!!!

Bjks Flay!!!

Um comentário

  1. Awnn! Amei esses livros! Sinto que você terá que me emprestar! Haha! O post está ótimo,irmã! Parabénsss!

    ResponderExcluir