O Último Adeus...


Há muito tempo tento soltar algumas palavras presas na minha garganta. Tento tomar coragem e ser alguém um pouco mais forte durante míseros segundos. Contudo, parece que minha mente bloqueia por completo meu aparelho fonador e nada sai das minhas cordas vocais. A única coisa com que posso contar nessas horas são com os soluços presos e com a lágrima que ameaça escapar. 

Por que é tão difícil te dizer logo um "adeus"??? Por que eu não tomo partido e falo logo??? Por que eu não deixo que meu futuro siga sem alterações extraordinárias do passado?? Ah.... É porque você não faz a mínima questão destas coisas.

Minha cabeça vive num intenso combate. O lado racional fala, fala, fala. Aliás, ele fala demais. Entretanto, meu coração bate mais forte, me faz aumentar a frequência respiratória e acabo assistindo filmes que me lembram de você.

A nossa realidade é totalmente diferente agora. Cada um tomou um rumo e eu imagino qual deve ter sido o seu. Eu continuo aqui, mas minha cabeça voa para muito longe. Será que você também é capaz de atravessar pontes ou  pedágios para pensar em mim??

As mudanças são inevitáveis nesta vida. Passamos por completas transformações, mas quem disse que esse sentimento precisava mudar??? Mas ele mudou. E mudou bastante. Agora eu não consigo nem mais definir o que ele é ou o que foi algum dia. Afinal, nunca estivemos no parâmetro normal para comparações.

Eu vi você me dar as costas. Eu vi você desprezar algo que podia ser concreto. Por fim, eu vi que você não era pra mim. Demorou pra entender, mas este dia bateu na minha porta de supetão. Nosso último adeus está enfim chegando.

Não vou procurar um canto, no meio de lugares cheios, para escutar as nossas músicas. Não vou me renunciar por você. Não vou lembrar do seu perfume ou do seu sorriso.  Não vou esperar que você apareça mais porque você não vai aparecer. E você sabe como superei isso? Aprendi com meu querido Shakespeare que "não posso escolher o que sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito". E eu já escolhi. Minha escrita é o meu escape. Ela alivia minha tensão e aquele nó na garganta quase desaparece.

 Pelo menos toda essa confusão me proporcionou algo maior. Agora sou capaz de ser forte. Agora meu corpo está anestesiado. Agora eu posso lhe falar a única palavra que me travou durante todo esse tempo e que fecha o contexto de nossa história. Agora você pode ouvir o meu adeus que antes era inaudível. Mas será que você está pronto pra escutar?

****

Oie, pessoal!

Passei rapidinho aqui para deixar este novo Papo Literário, pois este desabafo precisava aparecer no blog! Rs!

Espero os comentários ;)

Bjks da Ale!

4 comentários

  1. Oi minha linda...nada melhor do que o tempo...todos nós passamos por situações como essa e muitas das vezes o ADEUS é libertador. Por mais que a gente não entenda na hora, mas no futuro e muitas das vezes nem tão distante, iremos ver que foi o melhor para a nossa vida. bjks e te amoooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, maninha! Nosso caminho está nas mãos de Deus ^^

      Excluir
  2. Desapegar e esquecer, às vezes, é o melhor a ser feito, Ale! Beijos, sua linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o coração é muito teimoso! haha!

      Excluir