"Apenas um ano" - Gayle Forman.



Oiiie, gente!

Hoje, nós teremos aquele tipo de resenha pautada em um surto da blogueira, okay? Okay!

Me desculpem mesmooooo, mas não vou conseguir falar sobre esse livro sem surtar! Quem acompanha o blog há um tempo sabe que eu estava esperando Apenas um ano ansiosamenteeee!!!Então, nada mais do que normal eu surtar um "cadinho" com vocês, né?

Você ainda não viu meu post falando sobre o primeiro livro da série, Apenas um dia? Se quiser conferir, clique aqui  e embarque nessa história maravilhosa criada pela linda da Gayle Forman.

Aviso: contém spoilers do primeiro livro.

***

Enquanto Apenas um dia nos apresentou a vida da determinada Allyson antes de seu encontro marcante com Willem e narrou tudo que aconteceu depois desse momento decisivo até o reencontro do casal pelo ponto de vista da nossa mocinha, Apenas um ano nos traz a versão do querido Willis sobre o que realmente aconteceu desde seu "desaparecimento" e sobre suas tentativas de encontrar a menina que mexeu com seu psicológico em apenas 24 horas.

Quando eu terminei de ler o primeiro livro, pensei que o próximo contaria tudo que aconteceu após o reencontro de Allyson e Willem através da narração desse personagem maravilhoso, mas quando li a sinopse do segundo e li as primeiras páginas da obra, me surpreendi com o enfoque que Gayle Forman deu para a história. E, contrariando tudo que eu pensei, essa abordagem não deixou o enredo cansativo e nem nada do tipo. Afinal, nos acontecimentos intensos que rolaram no encontro desse casal unido pelo acaso, Willem sempre foi um grande mistério para o leitor... não sabíamos o porquê de ele ter se tornado um mochileiro,  o porquê de acreditar tanto na teoria do equilíbrio do universo e o porquê de ser tão apaixonado pelas coisas simples da vida. Assim, achei mais do que justo a autora ter nos presenteado com revelações sobre esse personagem extremamente importante e sensacional. 

Apenas um ano traz diversas questões emocionais fortíssimas na minha opinião e talvez seja por isso que eu tenha me identificado tantoooo com o livro... nós ficamos frente a frente com o perdão, com o autoconhecimento, com a verdadeira ligação entre uma família, com a dor da perda, com o reencontro, com a esperança e com o medo ( medo de acreditar em si, medo de entrar em novas jornadas e medo de se doar ao outro).

Sinceramente, eu me identifiquei muitooo com Apenas um dia e achei que a Gayle já tivesse me ensinado tudo de que eu precisa saber sobre mim mesma... ela me ensinou como eu devo olhar para dentro do meu ser e como eu devo encarar o mundo ao meu redor ( Shakespeare, meu Bardo incrível, que é tão citado nesses livros também teve um papel essencial nessa minha autodescoberta). No entanto, essa autora e o Bardo me deram um "tapa na cara" e falaram:" menina, você tem muito o que aprender ainda... relaxa aí... " ... e foi isso mesmo que aconteceu... a cada página, mais da minha alma foi sendo explorada por esses personagens que tanto parecem comigo, e mais do meu "eu" foi sendo doado para história... confesso que, por esse motivo, minha leitura demorou mais do que o normal, pois realmente esse livro me "consumiu" de forma única e eu precisei de momentos particulares com ele.... 

É claro que cada leitor vai ter uma impressão sobre essas questões abordadas no enredo, mas acho que todos serão tocados de alguma forma pela intensidade que todos esses sentimentos são colocados em cada capítulo. 

 Para vocês terem uma ideia de como eu AMEI tudo isso, olhem as marcações que eu fiz no meu exemplar, hehehe.


Apenas um ano tem o mesmo final que Apenas um dia e, com isso, você fica com dois sentimentos dentro do peito: primeiro, você surta porque finalmenteeeeeeeeee os desencontros acabaram e, segundo, você fica se perguntando: MEU DEUS, CADÊ A CONTINUAÇÃO DISSO? EU PRECISO! EU NECESSITO! MEU MUNDO ACABOU! ( Sim.. eu falei todas essas coisas... avisei que ia rolar surtos, meu povo).

Pensando nesse nosso desespero, a perfeita da Gayle escreveu um conto, chamado Apenas uma noite, sobre esse tão esperado reencontro de Allyson e Willem!!!


 Novo conceito, preciso desse conto e preciso dessa autora na Bienal!! Preciso falar que ela mudou a minha vida e minha visão de mundo... preciso, preciso, preciso!

Só tenho uma coisinha para "reclamar"... bom, essa capa é linda e lembra bastante do clima da vida do Willem, mas achei que ficou com muita cara de Se eu ficar ... por isso, eu preferia essa capa:


Mas deixando esse pequeno detalhe para lá, gostaria de compartilhar uma novidade que derrubou meu forninho.... 



SIMMMMMMMMMMMM! Vamos surtar mais... veremos essa história maravilhosa nas telonas!!! 
Iuuuuh! 

A Universal Pictures adquiriu os direitos das obras de Gayle Forman e, pelo que parece e pelo que pesquisei, a ideia é juntar os dois livros em um filme... quando li isso, fiquei com um "pé atrás", mas, depois, raciocinei e vi que se o diretor entender a pegada e o ritmo do livro é capaz de juntar as peculiaridades de cada obra. 

Espero que essa adaptação seja ótima, pois esses bebês são os meus preferidos...

Então, é isso, pessoal!

Espero que eu tenha conseguido passar tudo que eu senti enquanto lia e espero que vocês tenham curtido mais essa resenha!

Um beijão da Alê <3

Ps: Vou deixar algumas das quotes que mais me tocaram durante a leitura... aproveitem sem moderação:


"Porque nunca encontramos as coisas quando  as procuramos. Encontramos quando não as procuramos."

"A água lambe a praia. O mar Arábico. O oceano Atlântico. Dois oceanos nos separam. E, mesmo assim, não é o suficiente."

"Amar alguém é um ato tão intrinsecamente perigoso. No entanto, é no amor que está a segurança."

Vou parar por aqui porque se eu continuar, vou citar o livro todo, heheheh ;D

2 comentários

  1. Pode parar com esse surto Ale!! Se controle mulher! A resenha ficou perfeita, adorei as suas colocações sobre esse livro. Parabéns e mantenha a calma porque os filmes daqui a pouco serão lançados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKKKKKKKKKKK.. não dá para ter calma com esse livro, Leo! Você precisa leeeeeeeeeeeeeeeeeer!
      Ebaaaaaa... você disse "filmes"??? Vou surtar mais um pouquinho aqui!
      kkkkkkkkkk!
      Obrigada pelo comentário, meu lindo!

      Excluir