"Soldier, leal até o fim" - Sam Angus.


Olááááááá, pessoal....

Já estou em êxtase com a nossa bienal....ahhhhhhhhhhhh....(momento loucura....), mas, em breve, nós iremos colocar aqui a cobertura completa, ok??

Mas, enquanto isso não acontece, vamos de resenha....

Hoje, nós vamos comentar sobre um livro lindíssimo. Falaremos de Soldier, Leal até o fim, da autora Sam Angus, que traz a história de lealdade de um cão para com o seu dono.

Stanley, um menino inglês de 14 anos, perdeu sua mãe ainda muito jovem e vivia com seu pai e seu irmão. Após a morte da mãe, seu pai entrou num tipo de depressão e tudo que ele sabia fazer era maltratar Stanley e ficar sozinho. Quando seu irmão mais velho, Tom, foi recrutado para servir na guerra, Stanley passava por poucas e boas com seu pai. Sua única distração era a cadelinha Rocket.

Em uma determinada noite, Rocket foge, e Stanley ao encontrá-la percebe que ela havia cruzado com um cão cigano. Seu pai odeia cães ciganos e diz ao filho que assim que os filhotes nascerem ele irá dá-los aos ciganos. Stanley começa a acompanhar a gravidez de Rocket e, assim que os filhotes nascem, ele se apega demais ao único machinho da ninhada, ao qual colocou o nome de Soldier, em homenagem ao seu irmão.

Seu pai cumpre a promessa e, logo que os filhotes desmamam, ele os entrega aos ciganos, porém Stanley consegue com a ajuda de um cigano que Soldier ficasse com ele. Dá (apelido do pai de Stanley) fica irado com tal atitude e diz a Stanley que irá afogar o cachorro. E numa manhã, Dá sai cedo com Soldier a fim de cumprir sua promessa. Stanley tenta alcançá-lo para impedir, mas é em vão, e, muito magoado com a atitude radical de seu velho pai, resolve fugir de casa e se alistar ao exército. Mesmo com sua pouca idade, Stanley ingressa no exército inglês, mais precisamente no setor responsável por cães mensageiros e vê nisso uma forma de estar perto de sua paixão por cães e, ao mesmo tempo, procurar por seu irmão Tom.

Stanley se depara com os maiores horrores que uma guerra pode proporcionar a um ser humano, e também a um cachorro, mas ele também faz novos amigos e dá várias lições de amor e da capacidade do amor que um cão pode ter para com o seu dono.

Uma história de amor, companheirismo, lealdade e de um amor que pode ultrapassar qualquer tipo de dificuldades.

***************

Gente, como vocês já sabem, eu amoooooo cachorros....e, quando vi a capa desse livro, eu pensei logo....tenho que ler.

Simplesmente perfeito....não tem como não se envolver com a história de amor e lealdade de um menino e seu cão, mesmo diante de um cenário tão devastador como o de uma guerra.

Gente, de cara eu ODIEIIIIIIIIIIIIIIII esse Dá....poxa, como assim fazer tanta maldade com um bichinho?? Afff....que vontade de dar na cara dele....mas o livro trouxe muitas surpresas e fez com que minha raiva por ele amenizasse.

Sem querer ser redundante, é um livro que você não consegue parar de ler, pois a cada página você
fica mais e mais emocionado e ansioso para saber o que acontece com os dois.

Recomendo muitooo a leitura. Tanto para os amantes de animais, como eu, como para aqueles que curtem histórias de Guerra, pois tem muita emoção, e a adrenalina rola solta.

Se eu pudesse atribuir uma nota, com certeza, daria 10! E, mais uma vez, parabenizo a nossa parceira Novo Conceito por nos trazer tão deliciosa leitura.

Bom, pessoal, vou ficando por aqui, pois, afinal de contas, estou aqui já me preparando para mais um dia de Bienal amanhã....

Beijokas e até a próxima....

Flay 


6 comentários

  1. Flávia só com o que você escreveu eu já fiquei emocionado. Que livro lindo!! Amei essa história. Mas amei mais por causa da história do cachorro, porque livros que envolvam guerras acabam comigo quando eu termino. Eu li O Diário de Anne Frank no mês passado e quando eu terminei eu entrei em crise e chorei horrores depois. Pra escrever a resenha para o blog foi um custo. Hahahahaha.
    Aproveita que meu niver é em novembro e compra esse livro pra mim. Hahahahaa
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahaha....eu tb amo livros com cachorros....e tb não sou fã de livros de guerra....mas esse é lindo...
      Quanto a Novembro?? Quem sabeeeee

      Excluir
  2. Ameiiiiiiiiiiii a resenha... livro de cachorro + Flay = perfeição! <3

    ResponderExcluir
  3. Me deu vontade de chorar só no início, guerra e cachorro em um mesmo livro? Tão querendo me afogar em lágrimas, meu Deus. Mas eu sou meio masoquista, adoro livro que me faz chorar kkkkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahhahaha... te entendo total.... como não chorar com livros assim?
      Cachorros <3

      Excluir
    2. pois é Tatá....eu tb sou meio masoquista....mesmo sabendo que vou chorar horrores eu não deixo de ler histórias de cachorro....

      Excluir