Livros clássicos: ler ou não ler?


Oiiie, gente!!!

Hoje, temos um convidado muito especial no nosso blog! O lindo do Leo, meu melhor amigo, meu parceiro de alma e parceiro do blog, veio falar de um tema que ele adora e que a gente não aborda tanto aqui! Então, espero que vocês o recebam com muito amor e que gostem desse post tanto quanto eu!

***

Pra quem não me conhece, eu vou me apresentar: me chamo Leonardo e sou o responsável pelo Blog Brainstorm. Sou amigo da equipe do The Best Words Br e a pedido da Ale eu vim aqui falar um pouco sobre a literatura clássica, além de fornecer dicas de leituras para vocês. 

--

Em todo lado que olhamos, o antigo se mistura com o moderno para formar algo novo. Passado e presente estão intrinsecamente ligados. E com a literatura não é diferente, os clássicos estão em constante relação com os livros atuais. 

Os clássicos marcaram a literatura de algum modo, seja pelo seu estilo inovador, pelo seu número de vendas ou pela sua influência na cultura. Mas um verdadeiro clássico nunca deixará de ser lido com o passar dos anos, sempre haverá leitores que serão encantados por eles. E um exemplo que retrata bem isto é a Ilíada e a Odisseia de Homero. 

Uma coisa que eu venho notando há bastante tempo é que a literatura clássica, tanto a mundial quanto a brasileira, vem sendo desvalorizada. Muitas são as desculpas por essa desvalorização, mas aí eu te pergunto, amigo leitor: "Por que você evita os livros clássicos"? Medo? Acha difícil? Alguém falou mal para você? Esse é o objetivo dessa coluna: trazer bons motivos para você mergulhar nessas obras-primas. 

Eu preparei uma lista com dez indicações de livros estrangeiros, alguns eu já li, outros não e estão na minha lista de futuras leituras. E para não ficar algo restrito somente a essas indicações, haverá mais colunas como essas onde eu trarei excelentes dicas de leituras para vocês.

Obs.: Os livros foram escolhidos de modo aleatório. 

1. E o vento levou de Margareth Mitchell


Como eu estou de férias, eu escolhi a obra de Mitchell para ler e só posso dizer: foi a melhor escolha que fiz em tempos. "E o vento levou" não possui um estilo de escrita inovador, mas seu sucesso o fez tornar um clássico da literatura. Nele vemos a história de Scarlett O’Hara e de sua transformação de jovem impetuosa e mimada em mulher prática e disposta a tudo para conseguir o que deseja. Frustrada por não conseguir se casar com Ashley Wilkes, Scarlett acaba se envolvendo com o charmoso aventureiro Rhett Butler, com quem viverá uma das histórias de amor mais célebres e conturbadas da literatura. Mitchell descreve de maneira impressionante a Guerra Civil norte-americana e retrata as grandes mudanças que pavimentaram a história dos Estados Unidos e enterraram para sempre um estilo de vida. Apesar de ser um calhamaço com 950 páginas eu indico esta leitura. Não tenham medo do seu tamanho. 

2. Os Miseráveis de Victor Hugo


Este livro está na minha lista de livros para ler deste ano. "Os Miseráveis" é aquele livro que todo leitor deve ler em algum momento de sua vida, você nunca mais será o mesmo após a leitura. Nesta obra veremos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão. "Os Miseráveis" é um livro inquietantemente religioso e político.

3. Madame Bovary de Gustave Flaubert


Um livro polêmico, instigante e que causou um processo para o escritor. "Madame Bovary" é um livro inovador que trouxe à sociedade francesa do século XIX uma nova visão sobre a figura feminina. Trouxe à mulher a possibilidade de se destacar numa sociedade que assistia ao nascimento dos princípios democráticos. Além disso, Flaubert estimulou inúmeros estudiosos a refletirem sobre as questões expostas no livro, como o suicídio, a histeria, o adultério, o desenvolvimento do capitalismo e a emancipação feminina. 

4. O Diário de Anne Frank - Anne Frank


Mais um livro que faz a gente repensar sobre a vida. Para aqueles que não conhecem a história, "O diário de Anne Frank" narra em seu diário toda a tensão que a família Frank sofreu durante a Segunda Guerra Mundial. Ao fim de longos dias de silêncio e medo aterrorizante, eles foram descobertos pelos nazistas e deportados para campos de concentração. Anne inicialmente foi para Auschwitz, e mais tarde para Bergen-Belsen. Seu diário destaca sentimentos, aflições e pequenas alegrias de uma vida incomum, problemas da transformação da menina em mulher, o despertar do amor, a fé inabalável na religião e, principalmente, revela a rara nobreza de um espírito amadurecido no sofrimento. 

5. O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde


Oscar Wilde ao escrever esse livro chocou a sociedade de sua época devido ao teor polêmico. Aqui conhecemos a história Dorian Gray, um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se a verdadeira inspiração para Basil. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra-prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência de lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.
P.S.: Indico que leiam uma edição sem censura. 

6. Cem anos de solidão de Gabriel García Márquez


Esse livro eu estou louco para ler. Em "Cem anos de solidão", Gabo narra a incrível e triste história dos Buendía - a estirpe dos solitários para a qual não será dada uma segunda oportunidade sobre a terra.

7. Mrs. Dalloway de Virginia Woolf


Um livro que na minha opinião é sensacional. Não é uma leitura fácil devido a técnica que a autora usou ao escrever esta obra. Mesmo assim ela não perde o seu encanto e grandeza. Em "Mrs. Dalloway" temos a história de um dia na vida de uma dama de nobre linhagem — Clarissa Dalloway — casada com um deputado conservador e mãe de uma adolescente. Através de um retrato perspicaz de paisagens e sentimentos, Virginia Woolf observa a alta sociedade londrina do início da década de 1920 e conduz sua personagem a uma pungente viagem interior. 
P.S.: Esta história se passa em um dia da vida de Clarissa Dalloway

8. O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald 


Um clássico da literatura americana que eu amo de paixão. E aquele livro que você não tem vontade de largar e a história é sensacional. Em "O Grande Gatsby" temos um retrato primoroso da alta sociedade de Nova York na década de 1920, com sua riqueza sem precedentes, festas nababescas e o encanto das melindrosas ao som do jazz. O sol em ascensão desse universo cintilante e musical é o enigmático milionário Jay Gatsby, ao redor do qual orbitam três casais glamorosos e desencontrados, numa trama densa, repleta de intrigas, paixões e conflitos que precipitam o trágico eclipse. Recriação soberba de um dos períodos mais prósperos da história dos Estados Unidos, O grande Gatsby é uma crítica mordaz à insensibilidade e imoralidade revestidas de ouro da chamada Era do Jazz.

9. As vinhas da ira de John Steinbeck 


"As últimas chuvas lavaram suavemente as terras vermelhas e parte das terras pardas de Oklahoma, sem conseguir amolecer-lhes a crosta petrificada. Os arados deixavam cicatrizes nas terras encharcadas. As últimas chuvas fizeram murchar as hastes de trigo e espalharam lençóis verdes à margem dos caminhos, sob os quais sumiam as terras vermelhas e as terras pardas. Era fim de maio e a primavera varria as pesadas nuvens cinzentas que durante o longo inverno penderam do céu de chumbo. O sol crestava dia após dia cada haste que crescia, delineando um contorno bronzeado em suas verdes baionetas. As nuvens voltavam, tornavam a desaparecer e por algum tempo desistiam de ressurgir. As ervas daninhas cresciam e espalhavam-se até estacarem, satisfeitas com a sua expansão. A superfície da terra enrijeceu-se com uma crosta fina, e vestiu a palidez do céu; era rósea nas terras vermelhas e quase branca nas terras pardas."

 Olhem que começo incrível, Eu ainda não li "As vinhas da ira", mas já está na lista de futuras leituras. Super recomendada essa leitura.

10. Anna Kariênina de Liév Tolstói


Nesta lista não poderia faltar um clássico da literatura russa. Este foi o primeiro livro russo que eu li na vida e me apaixonei. "Anna Kariênina" narra a história do amor difícil e controvertido vivido pela protagonista Anna na Rússia czarista. Ela é uma mulher casada que vai atrás de seu amante Vronski mas, arrebatada por uma paixão proibida, resvala cada vez mais para um abismo de mentiras e destruição. Tolstói questiona o significado da vida e da justiça social tendo como pano de fundo as crises familiares. É o maior romance do adultério na literatura universal. Em suma, "Anna Kariênina" é um romance espetacular.

--

Então pessoal, espero que tenham gostado da coluna e dessas dicas de leitura. Foi um prazer conversar com vocês e em breve estarei de volta com mais dicas para vocês. 

Beijo pra todo mundo.

Um comentário

  1. Dá para colar esse post na testa?? Eu amei demais, Leo!
    Você sempre me faz ficar babando na sua escrita e, dessa vez, não foi diferente!
    Obrigada por vir aqui falar com a família Tbw Br!
    Love u!

    ResponderExcluir