"O Ano em que Te Conheci" - Cecelia Ahern


Oieeee, gente....como estão??? Espero que estejam bem....

Primeiramente, eu preciso desabafar....queria tanto, mais tanto ter ido a Bienal, gente....como fica essa pobre blogueira que não pôde ir ??? Mas vida que segue e em 2017 a Bienal que me aguarde...kkkkkkk

Bom, mas vamos ao que interessa...hoje nós vamos falar de O ano em que te conheci, da querida Cecelia Ahern, que a nossa querida parceira Novo Conceito nos trouxe esse mês.

O livro conta a história de Jasmine, uma executiva que sofre um triste golpe de seu sócio. Ela é mandada embora e por se tratar de uma profissional extremamente competente, sua antiga empresa resolve deixá-la de licença por um ano para que ela não possa trabalhar na concorrência.

Jasmine  que sempre foi proativa fica desesperada só de pensar que ficará um ano parada. O que os vizinhos irão pensar? Uma desempregada que se esconde atrás de uma licença?? Essa não é a vida que Jasmine almeja.

Mas o que Jasmine nunca iria sonhar é que de uma situação tão drástica ela poderia descobrir um novo sentido para a sua vida, uma nova amizade e um novo amor.

Em O Ano em que te conheci, Cecelia nos passa que mesmo quando a vida nos dá um golpe, nós podemos nos reerguer e quem sabe até ficar melhor do que estávamos.

 Se vocês ficaram curiosos para descobrir como Jasmine deu a volta por cima, corram até uma livraria mais próxima e adquiram essa obra, que é maravilhosaaaaaa.


*********************************************************

Genteeeeee....que livro lindoooooooo....cara, eu sei que em se tratando de Cecelia essa afirmação fica meio redundante, mas sinceramente, de todos os que eu li dela, este se tornou o meu preferido.

Eu me apaixonei por todos os personagens desse livro. É lindo ver o amor de Jasmine para com a sua irmã Heather. Heather é portadora de síndrome de Down e é simplesmente perfeito ver o carinho e o cuidado que Jasmine tem para com ela. Amei ainda mais o fato de Cecelia passar para todos que pessoas portadoras de síndrome de down são pessoas completamente normais e que são capazes de conviver naturalmente. Eles precisam de necessidades especiais, mas são pessoas completamente normais e capazes de sentir emoção e serem responsáveis.

Fiquei maravilhada com a determinação de Jasmine em recuperar o jardim de sua casa. Foi maravilhoso ver o renascimento do seu jardim e a paixão que ela tinha pelas suas flores.

Ri alto com as trapalhadas de Matt e como a amizade entre ele e Jasmine foi crescendo a cada dia.

 Aonde se via ódio por um mal entendido do passado, virou-se uma linda amizade.  A descoberta que ambos fizeram, de que um se apoiou no outro para se reerguer foi simplesmente perfeita.
Nas últimas páginas do livro, Jasmine relata como foi o seu ano e como essas mudanças ajudaram em sua vida. Veja  abaixo alguns trechos:

                “Meu jardim é o espelho de quem sou. Meu jardim, que um dia já foi vazio e estéril e agora está cheio, florescendo, maduro. Ele cresce e prospera. Talvez você possa dizer o mesmo a meu respeito. Eu perdi aquilo que achava que me definia e me senti apenas uma casca. Em vez de tentar recuperá-la, eu tive de descobrir por que não poderia fazer isso sozinha.(...)
                (...) Minha mudança não foi instantânea, e muitas vezes o ritmo lento da transformação pode ser doloroso, solidário e confuso, mas, mesmo sem que a gente perceba, acontece. Olhamos para trás e pensamos: “Quem era aquela pessoa?”, enquanto durante o processo, pensamos: “quem estou virando?”. E qual foi o ponto exato em que cruzamos aquela linha, quando uma versão de nos lembramos da jornada, que preservamos aquela sensação de quem éramos antes, e sabemos para onde estamos indo, e por quê. Quando o destino é totalmente desconhecido, nós valorizamos a travessia. Não foi apenas minha jornada, nem tudo girou em torno de eu cindo em um abismo e um homem me salvando, apesar de eu ter tropeçado, e você ter caído, e o amor ter acontecido para mim e ter se consertado para você. Isso aqui é sobre eu e você, nossa queda e nossa ascensão com as estações do ano, e sobre o que aconteceu quando uma porta se fechou para nós dois.(...)
                (...) Eu te ajudei a me ajudar, você me ajudou a te ajudar, e é o jeito que tem de ser ou a própria ideia de ajudar alguém seria obsoleta. Eu sempre pensei que receber ajuda fosse uma prova de perda do controle, mas você precisa permitir que alguém te ajude, você precisa querer que alguém te ajude, e só então essa ação pode começar.”

A querida Novo Conceito preparou o book trailer sobre o livro....confira:



Me faltam palavras para dizer o quanto amei e me emocionei com essa história, portanto se você gosta de histórias não só com romances mas também com lindas histórias de amizade e de superação, esse livro é a pedida. Então não perca tempo e leia O Ano em que Te conheci e depois me procurem para podermos bater um papo bem legal. Tenho certeza que não se arrependerão.

Bom, hoje eu vou ficando por aqui, mas prometendo voltar o mais rápido possível para vocês, ok?
Um grande beijo
Flay


Nenhum comentário

Postar um comentário